A volta ao mundo de Quino e Mafalda


Talvez você nunca tenha ouvido falar de Joaquín Salvador Lavado, mas provavelmente o apelido que ele recebeu desde criança, sim: Quino, o grande desenhista argentino criador da Mafalda completa 80 anos em 2012. Uma boa pedida para homenageá-lo. Filho de imigrantes espanhóis, Quino nasceu em 1932 na província de Mendoza, na Argentina. Em 1945 ele nem tinha completado 13 anos e sofre a perda de sua mãe. Nesse mesmo ano, ao terminar o primário, decide inscrever-se na Escola de Belas Artes de Mendoza. Quatro anos depois abandona a Escola e começa a procurar emprego: queria trabalhar como desenhista de humor e de histórias em quadrinhos.

O começo foi difícil e ele não encontrava espaço na imprensa argentina para publicar seus desenhos. Até que em 1954, o semanário Esto Es (qualquer semelhança com o nome de alguma revista conhecida não será mera coincidência) começa a publicar seu humor gráfico periodicamente. A partir daí os trabalhos se intensificaram. Em 1963 lança seu primeiro livro – Mundo Quino – e no ano seguinte publica a primeira tira de sua maior criação: Mafalda.

Em 1969 Mafalda é publicada pela primeira vez fora da Argentina. A Itália teve a primazia e Humberto Eco, editor da coleção, escreveu sua apresentação. Em 1970, Mondo Quino também é publicado na Itália e em 72, na Espanha. No ano seguinte é a vez de França e Alemanha conhecerem a arte de Quino e sua Mafalda. Em 1973 é publicado o primeiro álbum de Quino em Portugal: Não me grite! (o desenho abaixo foi extraído desse álbum), que fora lançado um ano antes no México. Editado dentro da coleção Humor Com Humor se Paga, pela Publicações Dom Quixote, esse livro foi exportado para o Brasil numa época em que o artista começava a ser descoberto por aqui. Ou seja: o brilhante humor gráfico de Quino teve que rodar o mundo para, finalmente, ser conhecido pelos brasileiros! Chega a ser um absurdo que países vizinhos estejam tão distantes…

Para ler mais sobre Quino e Mafalda e ver mais imagens de sua famosa personagem, clique aqui (ou no link acima). Para saber mais, visite também o site oficial do artista argentino. A tira da Mafalda (acima) não está completa. Para ler o último quadrinho, clique nela.
Todos os desenhos que ilustram este texto podem ser ampliados em ótima resolução.